quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Mineração: longa lista de oportunidades e desafios


por Eduardo Martins

Até 2015, a indústria de mineração deve ser responsável por uma das mais vultosas somas de investimentos da economia brasileira, ultrapassando os US$ 68 bilhões, segundo o Instituto Brasileiro de Mineração. São três os principais fatores que contribuem para o fortalecimento do segmento: o crescimento da população urbana; o aumento do investimento em infraestrutura; e o avanço econômico mundial.

Por exemplo, o Japão tem interesse no minério de ferro do Brasil, e o mercado interno apresenta boas perspectivas. No terceiro trimestre deste ano, o País registrou nove fusões e aquisições no setor (quatro delas domésticas), 200% a mais do que no mesmo período de 2011.

Apesar das boas expectativas, o setor enfrenta grandes desafios ligados à demanda do minério de ferro, seu principal produto, e que tem como cliente primordial a China. O momento é delicado em função da queda do preço mundial da commodity e da redução do apetite chinês. As companhias terão de demonstrar habilidade para negociar com clientes em um cenário de volatilidade de preços e lidar com a competitividade do minério da própria China.

A oferta de mão de obra qualificada é outro gargalo para a indústria. Estima-se que, em três anos, serão necessários pelo menos 600 engenheiros e 1.500 técnicos. Também há dificuldades na obtenção de licenças ambientais, demora na entrega de equipamentos e escassez de investimentos em pesquisa.

Questões similares afetam o mercado de aço, que ainda enfrenta problemas relacionados à necessidade de redução de custos devido ao excesso de capacidade produtiva e à volatilidade na procura pelo produto em razão da crise.

Porém, ao final, a principal discussão gira em torno do Marco Regulatório da Mineração, incluindo a criação de órgãos como o Conselho Nacional de Política Mineral e a Agência Nacional de Mineração, além do debate sobre a implantação da política para a Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais, que trata dos royalties da mineração. Não são poucos os desafios, mas as perspectivas certamente valem o esforço.

Eduardo Martins é líder do setor de Mineração da KPMG no Brasil

Fonte: Sistema FIEC / CNI (19.11.2012)

Nenhum comentário:

Busca

Siga no Facebook